Siga-nos por Email:

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Igreja Barroca, missa matinal e uma vontade de verdade!

Desde que ir ao centro do Recife passou a fazer parte da minha rotina visitar as igrejas antigas lentamente passou a também a ser parte de meu cotidiano...

Igreja de Santo Antônio no início do Século XX
Dessas igrjas a que mais gosto é a do Santissimo Sacramento de Santo Antônio, ou apenas a Matriz de Santo Antonio. Gosto demais dessa igreja, do seu tom do século XVIII, da sua barroquice, de seu cheiro de devoção antiga, dos seus muitos santos, de seu altar e do ar de reverencia que ela imputa a quem adentra suas portas.

Nossa Senhora da Piedade...
Sempre que entro nela viajo no tempo, penso nas pessoas que trabalharam nessa construção. Quantas pessoas se moveram para que essa igreja fosse construída? Pedreiros, arquitetos, entalhadores, pintores, marceneiros?

O custo para esse tipo de construção era alto, levou décadas para que ela fosse erguida e dada por pronta com seus altares, portais, retábulo, cúpula, frontispício... mobiliários, sinos, alfaias... Um trabalho laborioso, demorado, custoso, resistente, capaz de vencer os séculos e se manter erguida e vigilante em pleno século XXI, dominando a paisagem da Praça da Independência.


Também não consigo deixar de pensar nos homens, mulheres e crianças que eram trazidos Atlântico afora pelos mercadores e traficantes de escravos para o Recife e que eram batizados em pé dentro desse templo. Fico me perguntando o que eles sentiam quando entravam por essas portas, se sentiam medo, incompreensão ou espanto...

Fico pensando nos pequenos e pequenas que aparentavam ter 12 anos e já eram registrados como adultos, que recebiam um novo nome e eram inclusos no cotidiano da quente e movimentada cidade colonial do Recife.

Nossa Senhora das Dores.
Imagino os adultos de 12 anos... É talvez o padre não estivesse errado em dizer que eram adultos, afinal se sobreviveram a travessia do Atlântico com certeza deixaram sua meninice nas terras já distantes da África. Quem passaria por aquela experiência e se conservaria sua meninice, seu adolescer???

Sempre me doí pensar nesses pequenos e pequenas, perdoem-me o anacronismo, mas sempre lembro de minhas alunas de doze anos, se sentindo tão adultas, e em como seria terrível que elas fossem levadas de nós para o outro lado do mundo tornado-se um pequeno nada. Penso em como a cobiça dos olhos dos homens varreriam para longe as esperanças delas, isso me angustia profundamente.


Penso na dor daqueles adultos e crianças e contemplo as paredes, não há espaço vazios em uma obra de arte barroca e é o que está igreja é... Opressivamente barroca, construída por mãos capazes de expressar a angustia e a devoção.

Acho incrível como essas pessoas que vieram, ou foram trazidas a força, ao Brasil através do Atlântico conseguiram conservar sua cultura, suas maneiras de fazer, seus mundos simbólicos, resistindo a toda forma de violência física e simbólica. Se movendo na brecha, na falha, no visível e no invisível...

Sempre penso em até que ponto o manto azul das inúmeras versões da Virgem Maria tem da igualmente benevolente Iemanjá e o quanto do dourado das paredes esconde e mostra o dourado da luxuriante Oxum, o quanto do São Jorge constantemente em guerra com seu dragão se mistura com destemido Ogum.

São Jorge de pé.
A arte barroca nas Américas é um registro da intensidade da condição desses homens e mulheres, das suas duvidas, incertezas, questionamentos. Lembrei de Carlos Fuentes agora, refletindo sobre a Espanha e o Novo Mundo ele disse que o Barroco da América "é uma arte de deslocamentos, semelhante a um espelho em que, constantemente, podemos ver a nossa identidade em mudança." uma arte criada em cima dos escombros de utopias destruídas!

Os portugueses pensaram encontrar o Éden quando aportaram nas praias de Vera Cruz e logo descobriram que o paraíso ainda estava distante do lugar encontrado, os indígenas perderam a sua paz e liberdade e os africanos que aqui chegaram tiveram até suas identidades violadas o que se dirá do resto. Não é à toa que, em Santo Antônio, Maria fica eternamente triste, dolorosa e piedosa, e o Cristo esteja eternamente prostrado em seus braços, sustentando o peso da cruz ou nela pregado. Os artistas sentem a dor do mundo em frangalhos em que vivem e exprimem essa dor em sua arte!


E hoje pela manhã quando eu passei na Igreja do Santíssimo Sacramento de Santo Antônio estava na hora da missa e eu me permiti ficar ali, observando e pensando no passado e seus desdobramentos enquanto o padre celebrava os rituais de todo dia, fiquei em pé mesmo, encostada nessa madeira de circunda os bancos. Foi uma cerimônia bonita, o padre falou sobre a necessidade que temos de falar com Jesus, mesmo que Ele já saiba todas as coisas é necessário que falemos a Ele as nossas dores.

Depois na sequencia do ritual, houve o tinir dos sinos, o silêncio reverente dos fieis, tão diferente do que vejo na minha igreja local, e na hora do Pai Nosso quando o padre mandou as pessoas se darem as mãos também minha mão foi tomada a principio por uma senhora e depois outra se moveu pegando a restante e de repente eu vivi uma experiência digna dessa nota.

E eu orei! Orei, pedindo a Deus que me ensinasse a entender esse mundo que se mostra diante de mim, que Ele me ensinasse a entender a Verdade e antes mesmo de terminar minha oração eu lembrei das palavras de Nietzsche, esse fabuloso implicante, porque quando ao iniciar o livro Para além do bem e do mal, ele disse: "A vontade de verdade ainda nos há de arrastar para muitas aventuras..." e eu de repente já não tenho dúvidas nenhuma quanto a isso!

Texto publicado originalmente em Uma Pandora e sua Caixa!!!

2 comentários:

  1. Amei. Várias lembranças vieram à minha cabeça. Desde a vez que entrei numa igrejinha que por dentro era toda feita de ouro (e por fora era muito simples) até quando entrei na igreja perto da minha faculdade, que parece muito com a foto da primeira igreja q vc colocou. Nessa que é perto da minha facul, a Stephanie brito casou com o Alexandre pato. É incrível como igrejas vazias nos dão paz não é?
    kkkk se bem que da vez que fui na igreja de ouro, não tinha missa, mas nao foi muito pacifica a visita. Eu com esse jeito questionador pisei nos calos da carola que estava guiando a visita. Primeiro pq discordei que essa igreja do Rio era a única do Brasil ornamentada com ouro, pois minha avó me contou que tem outra em alagoas,e nossa familia teria ajudado a construir. Segundo porque eu questionei por que na visão de São Francisco jesus teria aparecido com 4 pares de asas. A dona não soube entender que eu tinha curiosidade, e não que estava testando ela. rsss pensando bem acho que tenho o jeito historiador desde pequena né não? hahahahahaaha

    ResponderExcluir
  2. Olá, querida
    Pandora, também gosto de fotografar Igrejas diversas pois contém belezas inusitadas...
    Fiz uns posts sobre o livro que ganhei no seu sorteio que sairão no início do mês... gostei muito do livro, viu???
    Deus te cubra de todas as bênçãos que vc necessite e te faça sentir a felicidade!!!
    Bjs festivos e gratos de paz

    ResponderExcluir

Para receber as postagens por e-mail:

Digite seu email aqui:

Delivered by FeedBurner