Siga-nos por Email:

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Questão de pontuação ou o ponto final...

Sinto que eu não tenho muito a dizer... Estou administrando o Em Quantos desde que a Sônia criadora e idealizadora do espaço deixou ele, mas acho que no momento não consigo mais fazer esse exercício... Então escrevi para os colaboradores avisando e agora escrevo o meu ultimo post... o do ponto final.

Bem, esse ponto pode virar apenas o termino de um paragrafo e não de um texto, mas ninguém se espante se nos próximos dias o blog sumir da blogosfera, foi eu que o tirei do ar.

Obrigada a todos e todas que por aqui passaram e compartilharam conosco suas inquietações. Obrigada aos colaboradores e colaboradoras.... Aos convidados especiais... Espero que continuemos nos encontrando aqui, ali, aculá em muitos encontros, enquanto a vida estiver sendo vivida, sonhada, construída...

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Crepúsculo é uma história boba, mas eu gosto!


Pois é, a história contada por Sthefany Meyer é sim uma história boba, eu sei... 

Uma história de fim previsível, açucarada e os filmes, apesar de serem sucesso de bilheteria, não são bem o que de melhor já foi produzido para as telonas desde sua criação.

Mas, mesmo a Série Crepúsculo não sendo a oitava maravilha do mundo pós-moderno ainda é uma história que eu adoro!

Os meus motivos? Bem, eu não sei ao certo! Mas estou com vontade de falar sobre algo "nada haver" só para tirar o stress da mente, desfocar dos meus abacaxis, e decidi pensar e falar sobre meu afeto por história boba e açucarada tão querida por tantas pessoas diferentes.

Então vamos lá, eu não sei bem porque gosto da história, talvez eu goste porque sou uma pessoa óbvia que gosta de coisas óbvias, talvez pela Bella ser bem o tipo de adolescente que eu fui: desastrada, tropeçativa, péssima em educação física, pouco vaidosa, responsável, esforçada nos estudos e com um amor incondicional a Jane Austen \o/!

Adorava ler Orgulho e Preconceito na minha adolescência. Darcy foi meu herói sonhado por tantos anos e talvez ainda seja que perguntar coisas do tipo: "Por que eu não encontro um Darcy para mim?" ou "Será que nesse mundo cruel os heróis só existem nos livros?" é meio rotineiro.


Bem, talvez entre os motivos que me fazem amar a história também esteja o fato do Edward ser um dos personagem mais cristãos já visto nos livros contemporâneos  Na verdade eu talvez nunca tenha visto um personagem mais "evangélico perfeitinho" em toda minha vida! Fala sério!  O cara nunca avança o sinal, nunca sai da linha, passou mais de 100 anos virgem!

Eu sempre me pergunto porquê os pastores são tão cruéis quando falam sobre Crepúsculo nas igrejas, se 50% dos adolescentes da minha igreja se comportassem como Edward eu seria uma tia tão mais feliz... Pensem nas possibilidades: eu não teria que dar tantas broncas... eu não teria que ser chata... exigente ou derivativos... Seria uma tia infinitamente mais feliz e menos preocupada com a possibilidade daquelas crianças que mal deixaram a mamadeira engravidarem no próximo sábado... Eu poderia ser descontraída o tempo todo, poderia não ser responsável... Só de imaginar eu fico pensando: "Ai que vida legal eu teria!".

Antes de criticar a história só porque ela tem alguns vampiros brilhantes e lobisomens sem pelos os pastores poderiam ler o livro e perceber que Edward e Bella (Bella nem sempre) são bons exemplos e quem nos dera todas as adolescentes gostassem dos Edwards da vida todos os meninos quisessem ser como ele... 

Enfim, Crepúsculo é uma série de livros que eu poderia não gosta, mas gosto e reafirmo meu gostar sempre que posso e tenho vontade! Especialmente quando quero aproveitar o lado leve da vida!
____________________________

Essa postagem foi originalmente postada no blog Uma Pandora e sua Caixa em  Abril de 2010, estou repostando para celebrar o 3º podcast das Meninas dos Livros, no qual falei sobre Crepúsculo novamente. Quem quiser conferir cá está o nosso blá...blá...blá... 

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Sobre o Kevin e um blog com cara de livro!!!

Eu não sou uma pessoa muito imparcial, eu sou um tipo que é meio fã de muitos escritores passados, inúmeros personagens, alguns cantores, pouquíssimos atores, da minha mãe e avós, de várias tantas pessoas com as quais convivo concreta e virtualmente e atualmente eu acho que sou fã do Kevin...

E sim, claro que eu vou explicar de qual Kevin estou falando, abri esse post justamente para falar sobre ele.

O Kevin é um personagem de uma história escrita pelo jovem autor Christian V Louis, a história chama-se "Ironia do Destino" e tem uma particularidade interessante, ela não foi contada em um livro convencional, ela está sendo contada através de um blog com o mesmo nome.


Eu conheci o Ironias, durante uns dias de tensão, as vésperas de concluir minha pesquisa documental minha câmera digital resolveu quebrar, minha qualificação as portas, um nervosismo alto, sem consegui estudar. Entra em blog, sai em blog, cai nessa experiência virtual do Christian, li o prologo, gostei de cara do texto, embarquei na aventura.

Acabei lendo a história até o 10º capítulo, em menos de uma semana alcançando os leitores que acompanham desde o principio.

Detonei na leitura toda a minha tensão e virei fã do Kevin, ele deve ser o gótico mais fofo que conheci, embora eu realmente não tenha conhecido muitos góticos, é meio nervosinho as vezes, mas isso não diminui sua fofura.

Sim, a parte minha tietagem descarada com a história, tenho que dizer que o texto do Christian é organizado de uma forma muito interessante, ele me lembra as romances do séculos XIX que eram publicados nos jornais, como os livros de José de Alencar e de Dumas.

Cada capitulo/post é composto de altos e baixos emocionais sendo concluído com uma situação que deixa um sabor de quero mais, um certo suspense no ar a ser dissolvido no capitulo seguinte.

Gosto de como cada situação é trabalhada, dos diálogos dos personagens, da forma como as situações acontecem e como conseguimos visualiza-las, elas são possíveis e os personagens vão se desenvolvendo na história quase que sem pressa, naturalmente.

Acompanhar um romance capitulo a capitulo através do blog e conversar com o autor sobre o texto tem sido uma aventura deliciosa, algo inédito na minha vida blogueira. O Christian é um rapaz extremamente educado e eu já sou suspeita para falar, pois ele tem uma das qualidades que mais aprecio em amigos: ele suporta muito bem meus momentos de, nas palavras da Ana Seerig, "ataques de fofura", aquelas horas constrangedoras nas quais declaro minha afeição por ele em publico, chamo o bichinho de "Menino Velho", fofo e derivativos. Na minha imaginação o Kevin não tem muito haver com o rapaz da foto que ele escolheu para ilustrar o blog, para mim o Kevin é um gêmeo do Kamui de X-1999.

Esse post post eu publiquei no meu blog pessoal em Abril de 2012, resolvi repostar, pois depois de uma longa ausência o Christian resolveu colocar a série novamente no ar a partir do Prologo e quem quiser pode ir lá conferir a ideia no blog: "Ironias do Destino".

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

RECEITA DE ANO NOVO



RECEITA DE ANO NOVO 

Para você ganhar belíssimo Ano Novo 
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz, 
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido 
(mal vivido talvez ou sem sentido) 
para você ganhar um ano 
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras, 
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser; 
novo 
até no coração das coisas menos percebidas 
(a começar pelo seu interior) 
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota, 
mas com ele se come, se passeia, 
se ama, se compreende, se trabalha, 
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita, 
não precisa expedir nem receber mensagens 
(planta recebe mensagens? 
passa telegramas?) 

Não precisa 
fazer lista de boas intenções 
para arquivá-las na gaveta. 
Não precisa chorar arrependido 
pelas besteiras consumadas 
nem parvamente acreditar 
que por decreto de esperança 
a partir de janeiro as coisas mudem 
e seja tudo claridade, recompensa, 
justiça entre os homens e as nações, 
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal, 
direitos respeitados, começando 
pelo direito augusto de viver. 

Para ganhar um Ano Novo 
que mereça este nome, 
você, meu caro, tem de merecê-lo, 
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, 
mas tente, experimente, consciente. 
É dentro de você que o Ano Novo 
cochila e espera desde sempre.

Carlos Drummond de Andrade

Drummond é um dos meus poetas favoritos e acho esse texto dele para lá de clássico. Amo e compartilho como ultimo texto meu aqui no bloguito. Desejo a todos os leitores e leitoras do blog o melhor ano de 2013 possível.

Agradeço aos leitores e colaboradores e espero que em 2013 possamos nos encontrar por essas linhas e curvas do Em Quantos. Obrigada por tudo!!!

Pandora/Jacilne

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Resenha: Primeira Antologia Literária Escritos Lisérgicos. Poesias , Contos e Crônicas. Natal.


Quase morri de tanto esperar. Fiquei assistindo as pessoas alegres mostrarem que receberam os seus volumes e nada do meu chegar! Fiquei com inveja, com tristeza e cheia de ansiedade. O livro veio aqui em casa, e acabou voltando para a filial dos correios porque o porteiro tinha ido almoçar, e os entregadores tiveram preguiça de interfonar. O maior disparate, foi que eles colocaram no site dos correios que "o destinatário estava ausente". Eu estava bem em casa na hora...

Enfim, depois de 4 dias que esse absurdo aconteceu, eis que entro pelo milésima vez no site dos correios para ver se o status mudou de "destinatário ausente" para  "a caminho" ou coisa do tipo, mas  para minha surpresa, o novo status era:" entrega efetuada". Morri de medo deles terem entregado no endereço errado, e alguém desconhecido ter embolsado minha obra prima rsss, aliais a nossa obra.

Só que aí lembrei que quem estava na portaria era o Jorge, e no outro dia ele esqueceu de avisar que uma encomenda tinha chegado para nós, e só o porteiro da noite é que avisou. Minha mãe na mesma hora ligou para a portaria e subornamos o Jorge com bolo e coca-cola. Sim, Jorge sobrevive de subornos rsss aqui no condomínio nada funciona sem o Jorge. Ele é porteiro, encanador eletricista e quebra-galho, como o Severino do Zorra Total. A única diferença é que o meu porteiro vive pedindo dinheiro e comida para todo mundo do prédio, nem meu sobrinho de dois anos escapou do seu famoso: "Me dá dez reais!". Ele diz que o menino tem que aprender desde cedo. 

Mas enfim, com a promessa do bolo com a coca-cola lá subiu o Jorge com o pacotinho. Abri quase imediatamente, mas só depois do almoço que consegui pegar para ler de verdade. O meu conto reli umas 4 vezes, por causa da minha mania perfeccionista. Gostei mais deste conto que fiz do que o "Não foi dessa vez querido poeta" publicado no "Um pouco de nós", mas vi um bocado de hiatos. É claro que um texto que retrate  divagações não precisa ter um raciocínio muito reto, afinal os pensamentos são circulares, mas acho que talvez eu não devesse ter sido tão metalinguística. 

Deixando de lado minha auto-crítica, queria falar sobre os colegas que escreveram junto comigo. Li tudo, mas vou comentar alguns poucos que mais chamaram minha atenção para este post não ficar imenso, como os do Christian rss. Vou começar pela Janaína Cruz, que escreveu o poema Lisergia Natalina. O eu-lírico desse poema era um fumante que passava o Natal em família, vivendo toda a hipocrisia das relações forçadas e sentindo-se sempre só. Gostei porque durante a leitura eu só via fumaça kkkkkk. A Bia Hain do blog Revolta e Romance (tem o link dela aqui do lado) me encantou com a vovó italiana Bartira, aliais, Dona Bartira e sua família amorosa. Ela tinha uma bengala bem misteriosa...

"O céu escolheu" de Carmem Barros, lembrou muito a história dos meus pais porque o problema do relacionamento deles também eram as sogras de ambos lados. O do organizador desse projeto, o Christian, foi como eu esperava: polêmico, sem final feliz e muito reflexivo, porém muito bonito. Vou trazer um trecho do conto que bateu em mim e ficou:
"Porque os breves momentos que nos fazem felizes, são aqueles momentos em que sentimos que podemos fazer o que quisermos sem sermos julgados."

Para quem cresceu se sentido o estranho da família e da escola, essa frase é muito identificável. Eu não era lésbica, nem punk, gótica ou protestante, mas por não viver em função das fofoquinhas adolescentes de "quem fica com quem" na escola, ou por não gostar de andar maquiada e arrumada, e também por defender a minha crença em namorar somente quem eu estivesse mesmo apaixonada, eu fui excluída e um pouco perseguida também. O fato de eu ser cdf e gostar de pensar em coisas profundas também não ajudava mas o importante é que sobrevivi. Parabéns Christian! Adorei.

O conto da Ismália foi maneiro, adorei o espírito do Pietro, todo imaginativo e com seu jeitinho "espião", mas morri de pena quando ele descobriu que papai Noel não existe. O Conto do Jacques Fonseca foi hilário, o diálogo mais louco quem alguém poderia ter com o Papai Noel. Já a Jane dos Anjos também fez um texto sagaz, e me surpreendeu ao associar o papai Noel aos pedófilos, mas até que faz sentido se você olhar as estatísticas que ela traz. Foi lindo também como ela mudou sua visão do Natal por causa do filho. A Luciana Souza me emocionou com o presente de Juliano, a Nadia com a bondade de Serginho, e com uma referencia implícita de uma das minhas passagens favoritas da bíblia, que é quando Jesus diz que sempre que agasalharmos o pobre e o alimentarmos, é como se estivéssemos fazendo isso com Jesus.

O último conto, e talvez o que me emocionou mais, foi o da Sheila. Manu foi adotada por uma senhora pobre que a achou na lixeira, e a amou como uma avó faria. Um dia Dona Gracília explica porque as pessoas estavam festejando no dia 24 de dezembro. Manu, ao saber que se tratava de um aniversário topa fazer uma festa humilde em casa, onde apenas uma flor amarela indica uma ocasião especial. Ela reza pedindo que Deus deixe Jesus ir na casa dela, como se estivesse pedindo para o pai de uma amiguinho deixar o filho ir passar o dia na casa dela. A simplicidade do coração da criança é algo inesquecível.

Há outros contos muito bons nessa coletânea que não mencionei, mas foi só pra deixar um gostinho de quero mais em vocês. Comprem para dar de Natal atrasado para aquele amigo que vocês gostam, vai ser uma bela surpresa! Um beijo a todos e um feliz Natal. Amanhã volto para betar esse post com fotos. Boas festas!

Para receber as postagens por e-mail:

Digite seu email aqui:

Delivered by FeedBurner