Siga-nos por Email:

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Um estranho motoqueiro


 (Foto Google)
 Ontem, num intervalo de programa na TV, flashes de notícias. A repórter entra no ar, Rede Globo, e dá uma notícia e outra.
Depois anuncia: motoqueiro esbarra a moto no retrovisor de um carro, é jogado ao chão e um caminhão que vinha ao lado passa por cima dele e o mata.
(Pausa: Um simples encostar no retrovisor do carro. Talvez um tombo pequeno, um susto, e pronto. Ele pode seguir seu caminho normalmente, costurando entre os carros, apressado, mesmo sabendo que seu serviço já adianta muito a vida dos outros, não é necessário arriscar a sua, andando como anda. Mas a vida de motoqueiro é assim, irritantemente apressada. Às vezes cruzamos com um que vai andando devagar, pelas normas deles, e fica na nossa frente, nos atrapalhando...Que motoqueiro é esse, andando devagar desse jeito? Sujeito mais chato...).
O que me chateou foi a complementação da notícia dada pela apresentadora bonitinha do jornal das 7, que faz os flashes da tarde. 
O  motoqueiro caiu, o caminhão o matou e ele ficou ali, atrapalhando o trânsito.
A notícia foi exatamente assim: "O motoqueiro caiu ao chão e um caminhão que vinha ao lado passou sobre ele e o matou. O trânsito no local está lento..."
É preciso saber, sim, que o motoqueiro atrapalhou o trânsito!
Lembrei-me do Chico : "morreu na contramão, atrapalhando o trânsito...". Então, nem é novidade.
Somos apenas passageiros nessa vida. De preferência, nunca de carona com um motoqueiro.
Vai que acontece alguma coisa e a gente, ainda por cima, atrapalha o andamento da vida de uma cidade?
Inadmissível!

18 comentários:

  1. Que triste isso e acabar assim:atrapalhando o trânsito da vida..

    Credo!!! Dá um arrepio, né?

    Todos tem tantas p´ressa, nem morrer dá, pra não incomodar.

    beijos,chica e lindo dia!

    ResponderExcluir
  2. É a banalização da vida...
    Deixamos de ser pessoas e nos tornamos números, ou vivos ou mortos, não passamos de números.
    Um horror!

    Lúcia, beijosss

    ResponderExcluir
  3. Lúcia,
    Muito triste essa exposição diária aos riscos de vida.
    Lastimável a forma em que a notícia foi dada, e você lembrou bem da música do Chico.
    O que poderá ser feito para interromper essa escalada de acidentes?
    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Como é triste ver a vida humana cada dia mais banalizada. E a dor dos fammiliares e a vida que se foi????
    bja

    ResponderExcluir
  5. Olá querida, obrigado pela sua sempre presença em nossas vidas.
    Adorei seu texto, é um absurdo a forma como os jornalistas andam dando as noticias, outro dia lendo uma matéria que era concluída com a boa educação de dois cavalheiros que ajudavam uma dama, e a repórter teve a infelicidade de fazer o comentário, ou transcrever o de algum infeliz que disse, "Pena que são gays".
    Inadimissivel.
    Dane-se o transito, as pessoas precisam voltar a ser prioridade uma para as outras.

    ResponderExcluir
  6. Lucia, putz é um orgulho compartilhar um blog com vc que tem um olhar tão atento para as irônias e violências da vida! Pq era motoqueiro deixou de ser gente, deixou de ter filhos ou ser filho... virtou apenas mais um na multidão de pessoas... Obviamente se fosse parente da reporte a beleza dela teria se dissolvido em lágrimas, mas não era e ela não se colocou no lugar dos que eram... As vezes penso que é por isso que o mundo anda louco, porque as pessoas olham para o outro e não vem um irmão, um companheiro, alguém com quem a gente tem uma ligação natural... O mundo é estranho Lúcia, a humanidade me assusta todo dia um pouco mais...

    ResponderExcluir
  7. Obrigada querida!
    Editei o post do aniversário com novidade!!!
    bjsjsjs

    ResponderExcluir
  8. Lúcia!
    Isso é impressionante hoje em dia!
    Parece que estes telejornais não têm um profissional competente e que veja estes erros grotescos.
    A vida humana está muito desvalorizada! tsc tsc
    bjs cariocas

    ResponderExcluir
  9. Olá! Espaço legal este teu! Posso aterrisar pra ficar? Eu não me importo com motoqueiro algum andando na minha frente, afinal o trânsito é para todos, haja visto que meu marido e eu andamos muito de moto já...Atualmente, ele usa só pra ir ao serviço! Motoboy é realmente uma criaturinha apressada, se não ele corre não ganha o suficiente...e é exatamente por isso que quem não é motoboy e anda de moto é confundido com um e é tratado como tal, rsrsrs! É, por que o tratamento é diferenciado pra quem é motoboy(coitados), só falta passar por cima! Mas o que choca mais é o descaso e a frieza da repórter e das pessoas em geral! Ufa! Falei! Ah! Tô te seguindo! Vem me visitar também! Bjão!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Oi Lúcia, que bom vê-la em meu blog, muitas vezes somos apenas uma estatística, e para alguns, a notícia, o informar é tão comum, que parece fria, mas quanto aos motoqueiros não gosto deles, gosto dos motociclistas pois respeitam a lei e o trânsito, o que os motoqueiros não fazem.
    Beijos, Mauro

    ResponderExcluir
  11. Lucia, lamentavel é que somente quem dirige carros pensa que as ruas sao feitas só para ele. Há pouco tempo no blog da Lunna, ela levou um post sobre uma ciclovia que foi feita em Moema- Sao Paulo e Carol Maluf foi logo fazendo um abaixo assinado para que a ciclovia fosse retirada. As pessoas que dirigem carros se acham os donos do trânsito.

    Achei o link do post. Dá uma lida porque a Lunna escreve super bem.

    http://meninanosotao.wordpress.com/2011/11/06/na-contramo-do-mundo/

    O povo é mesmo muito egoista e centrista. Só pensam em si próprios, estao cada vez mais longe de Deus e se achando Deus em muitas ocasioes. Lamentável tudo isso. Transito, reportagem, Tvs, pessoas, mundo...

    Um bjao

    ResponderExcluir
  12. Realmente, que gafe da jornalista!

    E adorei a analogia, Lucia: "morreu na contramão atrapalhando..."

    Lindamente sacado!

    bjnhs e ótimo final de semana!

    ResponderExcluir
  13. Oi Lúcia, obrigada pela visita e pela sua gentileza. Transmiti os seus votos à minha irmã e ela mandou agradecer.
    Quanto ao seu post, na hora da reportagem ainda comentei com minha mãe: "A repórter ainda faz cara de paisagem! Como a vida está banalizada! E minha mãe comentou: Ele foi morto duas vezes: Pelas rodas e pelas palavras." Nós ficamos indignadas e muito tristes.
    Parabéns pela abordagem, pontual, como sempre! Beijos.

    ResponderExcluir
  14. É vero.... acho que o ser humano por vezes acaba atrapalhando o "bom andamento das coisas erradas"! Tristeza!

    ResponderExcluir
  15. Lúcia, fugi uns dias para este endereço: http://irene9romano.blogspot.com
    beijhos

    ResponderExcluir
  16. Amei, amei, amei todos os seus sinceros - marca registrada da Lucia - votos.
    Que os anjos passem e digam "amém" aos NOSSOS desejos.

    Muitos bjnhs e ótimo final de semana, Querida!

    ResponderExcluir
  17. Olá, querida Lúcia
    Já não aguento mais ver tanta gente morta e quase sem relevância alguma por nossa parte que tomamos rotineiramente como mais um caso do trânsito... Meu Deus!!!
    Quando tudo isso irá ter um fio...
    Bjm fraternal

    ResponderExcluir

Para receber as postagens por e-mail:

Digite seu email aqui:

Delivered by FeedBurner