Siga-nos por Email:

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Lua Adversa

Para hoje pensei escrever mil coisas... Pensei falar de uma peculiaridade histórica que descobri, de um livro novo que li e achei lindooooo... De uma coisa que vivi,  de uma infinidade enorme de experiências que tem feito parte de minha vida...

Mas quando cheguei em casa vi solto no meio dessa mesa bagunçada onde repousa meu computador, um livro de Cecília Meireles que comprei recentemente, dei uma folheada, mas não parei para ler.

Como sempre a Cecília me prendeu pelo coração, com ela realmente As palavras voam, o livro faz jus ao nome e diante da beleza das palavras da poeta eu desisti de todas as minhas ideias de postagem e decidi aproveitar a oportunidade para postar uma poesia que, entre outras coisas, fala sozinha mais do que minhas mil ideias de postagem falariam se fossem escritas.


Lua Adversa 
Cecília Meireles

Tenho fases, como a lua
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua...
Perdição da minha vida!
Perdição da vida minha!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha.

Fases que vão e que vêm,
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.

E roda a melancolia
seu interminável fuso!
Não me encontro com ninguém
(tenho fases, como a lua...)
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua...
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu...

13 comentários:

  1. Sem palavras, Jaci. Admiro demais Cecilia Meireles. Ela fala da nossa historia, ela faz parte da escola, faz parte da vida. Lindo! Bjs

    ResponderExcluir
  2. Hoje me sinto Cecília Meireles, melancólica, tenho muitas fases...Só não tenho na perdição de ser de alguém...
    paz e bem

    ResponderExcluir
  3. Adoro a Cecília... a minha gatinha se chama Cecília Meireles sabia?

    BeijoZzz

    ResponderExcluir
  4. Lindo esse poema! A minha cara, acho que sou muito lua, cheia de fases, que se alternam constantemente... rs

    Beijocas

    ResponderExcluir
  5. Acho que poderia por meu nome no final deste poema.
    Minha cara e minhas luas.
    Amei o post.
    Amo Cecília Meireles.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Que lindo!
    Não sou muito ligada em poesia, mas tenho uma simpatia inexplicável por Cecília Meireles.
    Tem vezes que só usando as palavras dos outros a gente consegue se explicar, né?
    Adorei!

    ResponderExcluir
  7. Ah, minha linda! Que bela escolha! E aquela parte
    "No dia de alguém ser meu
    não é dia de eu ser sua..."
    parece feito pra mim, q vivo aos desencontros com alguém.
    Não deixe de nos passar mais dessas delícias! beijocas

    ResponderExcluir
  8. Menina, tem vezes que a gente encontra, escrito por alguém que com nossa vida nada teve ou tem, algo que parece tão nosso! Ou será que nesta terra todo mundo tem fases iguais???????????
    Amei teu texto.
    Amo a Cecilia Meireles...

    ResponderExcluir
  9. Arrasou com a Cecília, o texto é lindo e traduz muito da alma feminina, que mulher não se sente mutante desta forma?!
    Grandes beijos

    ResponderExcluir
  10. Ué, comentei ontem e não apareceu!
    Cecília dispensa comentários, pois é sempre bom lê-la. Há muito não lia essa poesia, que tão bem fala da alma feminina.
    Tenho dela apenas o "Romanceiro da Inconfidência" mas nunca consigo lê-lo. São versos históricos, muito rebuscados, mas acho melhor prestar mais atenção e tentar ler.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  11. Feliz Segunda feira que DEUS te abençoe durante a semana!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  12. Não há sensação mais agradável do que ler algum poema ou texto que transforme em palavras o que você sente, mas não consegue expressar da mesma maneira. Obrigada por compartilhar esse poema...não conhecia! Uma ótima semana pra você! bjs

    ResponderExcluir
  13. Seu blog é maravilhoso.. você está de parabéns! Eu estava a procura de algum poema deste livro, e finalmente encontrei aqui! E você fez uma ótima escolha, este poema é ótimo! Amei, beijos :)

    ResponderExcluir

Para receber as postagens por e-mail:

Digite seu email aqui:

Delivered by FeedBurner