Siga-nos por Email:

sábado, 27 de agosto de 2011

A DOR DA GENTE NÃO SAI NO JORNAL

A NOTÍCIA
Marido traído fica sem indenização
BRASÍLIA - O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou o pedido de um marido traído que pediu indenização por danos morais ao amante da sua ex-mulher. Os ministros da 4ª Turma do STJ disseram que o amante que teve um caso com a mulher durante o casamento não tem responsabilidade civil sobre a traição.

Para o ministro Luís Felipe Salomão, relator do recurso, não há como o Judiciário impor um “não fazer” ao amante, impossibilitando a indenização do “ato por inexistência de norma posta legal e não moral determinada”.

O marido traído entrou com ação alegando que foi casado de janeiro de 1987 a março de 1996 e que, provavelmente, sua mulher passou a ter um relacionamento extraconjugal em setembro de 1990. A mulher teve uma filha em 1999, que o marido registrou, mas depois descobriu que era do amante.

Diante da infidelidade e da falsa paternidade na qual acreditava, o marido alegou que “anda cabisbaixo, desconsolado e triste”. O juiz da 2ª Vara Cível de Patos de Minas, no Noroeste de Minas, havia condenado o amante ao pagamento de R$ 3.500 ao ex-marido por danos morais.

Porém, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais afirmou que não houve “culpa jurídica” do amante, já que foi a ex-esposa quem descumpriu os “deveres impostos pelo matrimônio”. O marido recorreu ao STJ e alegou que o adultério resultou no nascimento da criança e o ato foi praticado por ambos. Segundo o ministro Salomão, o cúmplice de adultério é “estranho à relação jurídica existente entre o casal”.
__________________________________________________

A CRÔNICA

Prefiro não falar sobre a traição que envolve casos pessoais. Já basta a dor da pessoa.  Por outro lado, as traições a que somos submetidos são tantas, que nem paramos para pensar no quanto os nossos representantes nos traem, os fornecedores de mercadorias nos traem, os prestadores de serviços nos traem, os amigos, às vezes nos traem; e a memória sempre nos trai.

Melhor falar do dano moral. Já pensou, leitor, o quanto vale um dano moral? E será que existe alguma outra forma de quantificar o dano sem ser em dinheiro? E será também que colocando um valor no dano não estamos lhe tirando a qualidade moral? Um advogado dá o preço e um juiz determina o quanto vale a sua dor. A pessoa pode ficar aliviada com um consolo monetário ou mais ainda injuriada se não concordar com o valor arbitrado. E ainda mais enfurecida se a parte que provocou o dano recorrer, dando a esta pessoa a sensação de que seu dano está sendo medido por quesitos e pessoas estranhas ao seu sentimento. Que danado, não? No fim, dá uma impressão de que todas as relações humanas se encerram em fornecedores e consumidores. Forneci o meu amor a alguém, não fui correspondido ou esse alguém traiu a minha confiança. Causou um grave dano à minha integridade psicológica. Portanto, eu quero ser reparado com dinheiro. Que legal! E está previsto no código civil. Mas é legitimamente reparador de um sentimento abalado?

Lendo aí agora, você pode se perguntar: mas, afinal, nossas relações não se encerram em ganhos e perdas? E eu, do lado de cá, aumento ainda mais a minha dúvida e a sua: então é verdade que todos temos um preço como diziam referindo-se apenas às corrupções do poder?  Xi! Sabe que isso acaba de me abalar moralmente?

5 comentários:

  1. Mesmo havendo ressarcimento, os danos por vezes são pra sempre e impagáveis...Linda crônica! abração,chica

    ResponderExcluir
  2. Sempre achei tosco essa de processo de dano moral. Quer dizer, a justiça nos tribunais e uma soma de dinheiro vão realmente reparar o dano?
    Moral pra mim é uma coisa bem pessoal, dinheiro não pode comprar, não pode reparar.

    Gostei do teu texto. Será que um dia encontraremos respostas?

    ResponderExcluir
  3. Cacá, dano moral e dinheiro não combinam, para mim. A moral não tem preço, uai!
    O caso da notícia que motivou a crônica: também acho que o amante não tem que pagar nada ao marido traido. Quem o traiu foi a mulher dele, o amante foi apenas o instrumento. Onde já se viu? Se a moda pega...
    Bom domingo!

    ResponderExcluir
  4. Olá

    Este blog é muito interessante. Gostei muito.

    Um beijo.

    Nita

    ResponderExcluir
  5. Ó dúvida cruel: imagina se resolvemos cobrar todo dano sofrido pelo amor não correspondido, pela dor do abandono? Então concordaria realmente que tudo seria uma questão tão somente financeira;....

    ResponderExcluir

Para receber as postagens por e-mail:

Digite seu email aqui:

Delivered by FeedBurner