Siga-nos por Email:

sábado, 5 de maio de 2012

CRIANÇAS QUE SÃO CRIANÇAS*


Para João e Isabel


Já não se fazem mais crianças como antigamente. Esse antigamente de que falo tem muito pouco tempo e está ligado a uma geração. Aquela que lutou por algum tipo de igualdade e liberdade de pensamento e ação, pelo menos.

Até os primórdios do capitalismo, criança não tinha infância. Na ganância por dinheiro, os proprietários dos meios de produzir as coisas colocavam-nas para trabalhar junto dos pais muito cedo. Muitos pais, por necessidade ou por aprendizado torto continuaram fazendo isso com elas muito tempo depois. O tempo acelerou a vida, o mundo cresceu demais e parece que vai acabar amanhã ou depois, de tanto que estão todos correndo atrás de alguma coisa com aparência de definitiva.

A maioria dos pais agora, na loucura de darem conta de si mesmos adianta o fim daquela que já foi uma longa e prazerosa infância para muitos. Afinal de contas, não ter tempo livre é uma perspectiva de ser reconhecido ou alguma outra forma de destaque. Não basta mais garantir a sobrevivência dignamente, tem-se que fazer o mundo notar a nossa existência. Tudo estava mais visível quando não éramos tanta gente no mundo. Tínhamos tempo a mais depois de cumpridas as obrigações diárias. Agora, a sensação que se tem olhando para os lados, para frente e pra trás é que está quase todo mundo querendo passar na frente do tempo, deixa-lo vir em busca de nosso ego insultado pela indiferença da coletividade. A mídia que já era poderosa ganhou um reforço ainda maior com tecnologias e tecnologias. Ela reforça o tempo inteiro o desejo de estarmos aparecendo para o mundo. E só se sente com certificado de reconhecimento quem nela aparece e tem seus momentos (longos ou curtos) de glória.

Filhos precisando de carinho e atenção para poder exercer seu direito a uma “infância infantil” demandam muito tempo.  No máximo que pais brincam com filhos é de coisas do mundo adulto. Divertido demais ver crianças imitando gente grande. O que era proibido como ver filmes de terror, programas de adultos na tv, conversas constrangedoras de gente grande perto delas virou chacota. Aquilo que era permitido, desejado e saudável, ficou proibido. Por exemplo? Brincar. Brincar de pique-esconde, correr atrás de uma bola de meia na queimada, andar de carrinho de rolimã, brincar de boneca com as meninas da vizinhança, agora só em eventos muito especiais. O negócio é a segurança do lar ou dos condomínios fechados. Quem não tem ou não pode, bota na frente da televisão, porque lá fora é perigoso demais.

Sociabilidade amistosa é um negócio que a criança vai ter que aprender bem depois, talvez quando já estiver adulta ou madura ou velha, ou nem aprender, já que estamos rumo ao extremo do individual. Eu não duvido se criarem daqui a pouco uma maneira de customizar o mundo particular, aquele que está gravitando em torno do umbigo.

Uma pessoa equivale a um consumidor, a um cidadão, a um a mais na disputa por algum reconhecimento e aceitação. Um computador sempre cai bem na hora de distrair a criança e ocupar o seu tempo e não ocupar o dos pais. Por isso eu acho que eles tem feito a infância ir embora tão cedo. Quatro, cinco anos, já estão aprendendo a ler e a escrever, já se vestem como adultos, participam das conversas do mundo adulto, brincam com coisas de adultos (quando brincam), especializaram em muitos casos a mandar nos adultos, junto de tanta lei e tanta proteção que foi estabelecida para a sua guarda.

João e Isabel me surpreendem mais e mais a cada dia que tenho a oportunidade traduzida em alegria de conviver com eles. Tem 10 e 9 anos e são crianças no tempo certo. Uma raridade hoje em dia. Tem ainda imaginação de crianças, gostam de brincadeiras de crianças e podem ficar  deslocados do mundo das crianças justamente porque são crianças. 

*crônica publicada no meu livro mais recente EM CÔMODOS INCÔMODOS DA MENTE

5 comentários:

  1. Sou apreciadora dessas raridades de crianças, pois essas, mesmo nesse mundo "sem tempo", poderão dizer que foram crianças de verdade e aproveitar melhor cada momento.
    O texto diz o que penso.
    Xeros

    ResponderExcluir
  2. Gosto de crianças que são crianças, mas, parafraseando a mim mesma em um texto publicado no cantinho, "Prefiro um adulto de 14 anos do que um adolescente de 30"...
    Beijos e bom dia!

    ResponderExcluir
  3. Acho que concordo com vc, com as Anas, a Karla e a Geo, prefiro um adulto que sabe ser como uma criança do que uma criança que aprendeu cedo demais a ser adulto.

    E penso que tudo tem seu tempo, assim como concordo com a leve critica que vc fez ao mal habito que alguns pais tem de adiantar a formação escolar da criança, dizem com orgulho "meu filho leu aos cinco anos!"e eu tenho vontade de perguntar: "Mas ele tem amigos?" Outro diz "Ah, estuda, faz aula de reforço, tem o judô, a natação e o inglês porque aprender de pequeno é melhor néh?!?!" e eu tenho vontade de perguntar: "E ele brinca que horas ein?"

    Enfim, são essas as questões de nosso tempo!

    ResponderExcluir
  4. Concordo com isso. A luta pela sobrevivência torna as crianças pequenos aprendizes da competição por espaço na vida. As que tem melhor condição são criadas para ficar no topo da hierarquia. Mas acredite, já houve épocas piores. Na idade Média, quando o cristianismo não percorria o interior dos feudos, havia crianças que dormiam com os pais e participavam da atividade sexual deles rsss

    ResponderExcluir
  5. Oi Cacá!
    As crianças de hoje estão cada vez mais cedo perdendo a infância, a inocência e o direito de vivenciar o seu tempo de criança. É uma pena, mas o corre-corre dos pais tem forjado filhos mais ansiosos e cheios de afazeres fora de casa e presos a tecnologia dentro de casa.
    Abraço e um ótimo domingo!

    ResponderExcluir

Para receber as postagens por e-mail:

Digite seu email aqui:

Delivered by FeedBurner