Siga-nos por Email:

sábado, 7 de abril de 2012

MÉDICO DE CORPO E ALMA


ARCANJO ISABELITO E O DR. LARA

O Arcanjo como é sabido, possui uma dor lombar crônica e por isso anda, deita, senta e levanta em proporções quase iguais. Ele é tão democrático que distribui a sua dor para todas as posições. E ele sabe que tem umas dores que vão além do incômodo físico. Qualquer aborrecimento, tensão ou medo ajudam a aumentar o potencial de doimento*. E fazem até mesmo aparecerem dores onde não consta diagnóstico de nenhum mal. É a tal de somatização.

De tanto vasculhar descobriu um doutor com a mais alta dose de compadecimento com o seu caso. Eu não vou dizer o nome dele aqui, pois nem sei se ele gosta de propaganda e para se conseguir uma vaga na sua agenda temos que ligar pelo menos com seis meses de antecedência ou então ser indicado por alguém que é paciente antigo. Falar que não suporta mais de tanta dor também funciona. Ele fica sensibilizado e lhe atende, nem que seja 11 da noite. Trabalhar não é problema para ele, horário também não. Ele não é da saúde pública, infelizmente para o público e felizmente para quem pode pagar uma consulta. Se ele me autorizar, depois eu digo, para quem quiser uma vaga no próximo ano. Vai que essa crônica circule por aí, o homem não vai dar conta de tanto paciente importado de outros estados, se bobear até do exterior.

Pra começo de conversa, a gente estranha ao chegar ao consultório e o paciente que entrou demorar tanto a sair. Só fui descobrir o motivo na minha vez. A conversa dura uma hora e a consulta propriamente, dois minutos, três, no máximo. Ele vasculha todo o seu interior, aquele interior almático** e não o somático. Eu perguntei logo de cara se era psicólogo além de neurologista e ele disse que não, mas eu teimo que é. Pelo menos no jeitão atencioso, perscrutador sem aparelho, cutucador de angústias existenciais. Esse é do tipo que o Arcanjo mais aprecia. Tanto que volta e meia está com uma dor inadiável só para dar um jeito de lavar um plá com o doutor.

 Foi de lá que ele começou a defender a ideia de o governo investir mais em escolas de psicologia, psiquiatria e especializações em psicanálise para tratar das pessoas através do SUS. Quando se entra consultório divã do doutor, a gente, sem remédio nenhum, sai com metade dos problemas e dores solucionados. Um chamego e umas boas explicações fazem um bem danado. Eu sempre desconfiei que muita gente procura um médico para as dores da alma muito mais do que físicas. No mínimo um empate técnico entre um motivo e outro. Nesses tempos em que muitos médicos tratam das pessoas como se elas fossem uma doença e não gente de carne, osso e alma ou espírito (não sei o nome certo dessa entidade que faz a gente ter sentimentos)  é uma meia cura encontrar quem lhe reserve uns minutos da consulta para dar atenção ao seu problema e à sua história de vida.

Ah, e tem mais: ele recomenda que a gente nunca leia bula de medicamento, além da posologia e modo de usar. É deprimente, desanimador e provavelmente feita por advogados dos laboratórios a fim de protegê-los contra possíveis efeitos judiciais dos colaterais. Citou o exemplo de um famoso remédio para náuseas. Na bula, segundo ele, um dos efeitos adversos que o remédio pode causar é náusea.


* potencial de doimento é um neologismo = potencial de dor
** almático é um neologismo = da alma

3 comentários:

  1. Um bom texto que li com muito agradado.
    A nossa Glorinha partiu. Uma grande perda.
    Um beijinho
    Irene Alves e votos de uma Feliz Páscoa,
    para si e para os seus Familiares.

    ResponderExcluir
  2. Cacá, esse é o verdadeiro médico, que honra o juramento de Hipócrates. Tenho 2 assim na minha vida, ir vê-los é garantia de cura antes de sair do consultório. Um é um homem, outra é uma mulher. Esse médico também me disse há anos que não lesse bula de remédio, que quem a lê são eles, e o que prescreverem, aceitemos.
    Mas um dia minha mãe, teimosa, leu uma bula e lá dizia algo que ela não gostou. Telefonou para o médico (não um dos que citei) e falou com ele o que ela tinha lido e que sentia isso e isso que lá falava e ele mais do que depressa suspendeu a medicação, pois era uma informação que minha mãe não tinha lhe passado, nem ele vasculhado e realmente no caso dela não poderia tomar o remédio. Então,se vê, ficamos mesmo é nas mãos de Deus! rsrsr
    Mas o médico verdadeiro é mesmo o que cuida primeiro da mente, mesmo não sendo da área "psi", mas o que sabe que tudo começa mesmo é em nossa cabeça (imaginação). Bom ler você, despedi-me daqui como colaboradora, mas não vou deixar de comentar. Abaços. Boa Páscoa.

    ResponderExcluir
  3. Eu gostaria tanto de encontrar um médico assim.
    Infelizmente profissionais da saúde (e não me refiro a pública, esta nem se comenta) parecem treinados para não ter sensibilidade e, em alguns casos, posso afirmar que são.
    Um amigo de minha mãe que cursa Medicina e era uma pessoa super espiritual antigamente, hoje diz: Depois que você disseca um cadáver, vê que tudo não passa de matéria neste mundo, nosso próprio professor explicou isto.
    WTF???
    Não sou somente "uma matéria", embora seja tratado como tal frequentemente.
    Bom feriado.

    ResponderExcluir

Para receber as postagens por e-mail:

Digite seu email aqui:

Delivered by FeedBurner