Siga-nos por Email:

terça-feira, 20 de março de 2012

Chagas


Vou ser um pouco dramática neste texto, tomem suas pílulas pra pressão rss vamos lá:

Sangue. Muito sangue.
O sangue me empapa por completo.
Escorre como um rio pelas minhas mãos e braços.
Prestando melhor a atenção, meu tórax e pernas também estão encharcados.
Há poças no chão.

De quem é esse sangue?
É seu, é seu!
Quem me feriu?
Olhe a adaga na sua mão.
Eu me matei?
Não
mas tem tanto sangue no chão como posso estar viva?
É ilusão!

A voz estava certa, o sangue e a adaga sumiram quando acordei,
mas a agonia continuou.
A tristeza perdurou.
A frustração não foi embora
mas a vontade sim. Essa me abandonou.
Preciso achar o caminho de volta à mim mesma
e parar de ser a causa do meu sofrimento.
Por que a história se repete?
Porque o erro não foi apagado.

Não posso me dar ao luxo de perder a fé,
A solidão e o silêncio serão meus mestres
quem sabe assim paro de sofrer e fazer sofrer?
Porque o que mais me magoa é quando magôo.
É o sentimento de fracasso que surge disso.
mas vou mudar, algum dia.Quando minha vontade voltar.

4 comentários:

  1. Palmas para minha dor de cotovelo. Esse poema já tem alguns meses, então não se preocupem comigo que meu humor está muito bom hoje.

    ResponderExcluir
  2. Aleska, acho que essa dramaticidade se deve à idade. A gente tem tantas perguntas, tantos medos, tantas questões e poucas respostas. Esta, só encontramos em nós mesmos, ao longo dos anos. Ou não. Ainda não encontrei muitas respostas, mas vou (per)seguindo.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Ah Aleska as vezes eu me sinto assim também, é da vida, mas vamos seguir em frente néh nega, vamos aprender com a Lucia a continuar perseguindo nossos sonhos!!!

    ResponderExcluir
  4. Sofrer é complicado...
    Mas nenhuma dor é definitiva...
    Adorei o poema!!!

    Bjs!!!

    ResponderExcluir

Para receber as postagens por e-mail:

Digite seu email aqui:

Delivered by FeedBurner