Siga-nos por Email:

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Confusa

Não tenho nenhuma história para contar hoje. A última semana foi tão confusa que não deu para inventar nada sofisticado. Não é de agora que estou assim, isso já vem de muito tempo, desde sempre soube descrever o que se passa dentro de mim, vez em nunca sei dizer o que ocorre ao meu redor. Embora mantenha uma boa conexão com os cachorros e as plantas, com eles coisas mais profundas, com elas um olhar já basta.

Estou sozinha, deitada na cama, coberta pelo edredom azul e verde num dia quente de verão suficiente para aquecer a alma. Há um livro de capa dura por baixo do papel em que escrevo cuja personagem vive um drama bem parecido com o meu: busca desesperadamente salvar sua vida. Do outro lado do papel tentei elaborar um cronograma de horários para seguir a fim de utilizar melhor o tempo livre para leitura dos livros em minha estante que ainda não foram aspirados. Aspirar palavras porque só elas me salvam da falta de sentido da vida e alimentam o meu abismo sedento de imaginação.

... das coisas que não sei fazer; dos amigos ausentes; da fala sem ouvinte; de ser entre tantos outros no mundo - alguém cuidando de desejos múltiplos – para que suportem viver, embora morram a cada dia.

12 comentários:

  1. Essa sensação nos bate algumas vezes na vida, não é verdade?
    Quantas vezes já elaborei cronogramas, horários, planos, para depois... não cumprí-los.
    Sensação de vácuo, ainda bem que passa!!!

    ResponderExcluir
  2. Eu vivo uma eterna confusão, assim como uma terna busca pelas palavras!!!

    ResponderExcluir
  3. É mais ou menos como nossa casa. Existem momentos em que não conseguimos manter a ordem. Mas assim que recuperamos a tranquilidade e a força tudo encontra seu lugar. Ou acontecem coisas mais importantes que simplesmente nos fazem esquecer dessa bagunça toda!

    ResponderExcluir
  4. Pois é, por vezes me vejo assim: angustiada, ansiosa, querendo planejar tudo, fazer tudo, ler tudo... Ahh, é bom ver que não sou a única.

    ResponderExcluir
  5. Também tenho andado assim, tantas perguntas, poucas respostas, isso se reflete diretamente no que escrevo, e no jeito como lido com as pessoas mais próximas.

    Força pra ti!

    Beijocas

    ResponderExcluir
  6. Confusa é praticamente meu nome do meio. Quando eu penso que tô bem... a vida teima em me pregar uma peça.

    BeijoZzz

    ResponderExcluir
  7. Momentos, Giuliara. Momentos que vêm e se vão. Daqui a pouco a inspiração volta. Altos e baixos da vida. Comum, para almas inquietas, sedentas.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  8. Eu acho absolutamente normal se sentir assim de vez em quando.

    ResponderExcluir
  9. Quando o tédio me domina eu escrevo poesias. Acho que estou acostumada com a confusão, está dificil é de me acostumar com a clareza rsss. refresque a cuca vá ler sabrina rsss beijos|!

    ResponderExcluir
  10. O ano passado fois ems ombras de duvidas o pior ano da minha vida - e eu usei o meu blog pra resmungar, chorar e me descabelar ( fina eu).

    O melhor conselho que recebi foi:

    PERMITA-SE.

    Tudo passa, minha querida. De tempo ao tempo.

    ResponderExcluir
  11. Recentemente passei por um furacão de emoções por conta do falecimento do meu pai, acho que a melhor coisa é colocar pra fora mesmo, como uma menira de tentar se entender....

    ResponderExcluir
  12. Esse com certeza é o melhor texto, porque vem da sua alma. Na vida temos altos e baixos, é normal sentir tristeza, é normal sentir alegria, é normal sentir, sentir é ser gente é ser humano, é ter lados sombrios que as vezes ofuscam a alegria e não nos fazem perceber o sentido da nossa vida. Mas normal também é deixar que a alegria venha, se achegue em nossa alma( vixe, acho que falei demais! Mas foi porque seu texto me tocou.)
    Desculpa qualquer coisa.
    Que seu domingo seja iluminado pelas boas energias!
    Gd beijo

    ResponderExcluir

Para receber as postagens por e-mail:

Digite seu email aqui:

Delivered by FeedBurner