Siga-nos por Email:

domingo, 11 de dezembro de 2011

HONESTIDADE


Até que ponto você é honesto?Porque os brasileiros sempre dão "aquele" jeitinho especial para tirar vantagens em tudo?






Elisa Lucindo, uma ótima escritora e poeta fez um texto lapidar  chamado  Só deSacanagem. A cantora Ana Carolina cuidou de popularizá-lo declamando-o em uma de suas canções. É um libelo contra os oportunismos, a corrupção , a desonestidade e contra o conformismo que reina no meio de nós. Para mim é um resumo do que penso acerca da desonestidade, principalmente. Nos últimos anos, depois da ditadura militar, as denúncias de corrupção ficaram mais livres por conta da imprensa, e elas são tantas e tão graves que falar de honestidade hoje passa necessariamente por falar de poder político. Mas não é só isso. Ela permeia todas as nossas relações, desde as domésticas, comerciais, religiosas, sociais, enfim dizem respeito à nossa moral.

O chamado jeitinho brasileiro é um caso que a mim não importa mais se veio do processo predatório de colonização, se veio da burocracia excessiva. Importa que ele é uma espécie de metástase social e desde a mais tenra idade temos contato com um modo de ajeitar as coisas a nosso favor (muitas vezes em detrimento do direito e da oportunidade do outro).

 Há uns desvios de comportamento que quando a gente conhece as causas ou origens ficam mais fáceis de corrigi-los. Outros, no entanto, não necessitam de nada além do desejo  de constituirmo-nos como pessoas retas, dignas, daquelas que podem andar por aí de cabeça erguida e dormir com ela fresca. A honestidade, a transparência e a ética fazem parte destas qualidades de caráter.


Obs: o texto acima fiz para o blog histórias da Emilia.blogspot.com em 2010

4 comentários:

  1. Cacá, conheço o texto da Elisa e já o publiquie no meu (ex) blog. Bom mesmo.
    Não acho que o "jeitinho" seja só brsileiro. O esperto existe em qualquer lugar, a gente é que mora aqui e só vê nosso lado. Mas basta ler, assistir a filmes, pra notar que a pessoa mal formada de caráter não tem nacionalidade definida. "Dá" em qualquer lugar do planeta...Acontece que há leis e leis, e as nossas são frágeis, punem quem rouba uma lata de sardinha pra matar a fome e deixa livre a bandalha de Brasília.
    Não me incluo, definitivamente, no mesmo saco dos que arranjam jeitinho pra tudo.
    Bom domingo!

    ResponderExcluir
  2. Oi Cacá!
    Pena seu texto ser sempre oportuno.rss
    O sentido de honestidade é bem amplo mesmo, mas geralmente está associado a bandidos e políticos. Esquecem os reles mortais do trco que deixam passar a seu favor, dos quilos sabotados na balança, dos serviços mal prestados e exorbitados e por aí vai. Os crimes dos outros são tão grandes que quem pratica estes menores se sentem perdoados.rss
    Infelizmente é assim, quase cultural, embora não só brasileiro, ocidental diria eu.
    Abraços e tudo de bom!

    ResponderExcluir
  3. Pois é, a honestidade é rara. É fácil criticar os políticos, mas e nós? Como dizem, "cada povo tem o governo que merece", então, nesse nosso jeitinho brasileiro, como teríamos um governo não adepto dele?

    ResponderExcluir
  4. O jeitinho brasileiro é de fato irritante! O pior é que falta de ética e honestinade muitas vezes estão escancaradas em coisas simples como copiar e colar algo de alguém sem seu devido crédito, por exemplo. Algo, infelizment, bem comum no meio virtual!

    Bjs

    ResponderExcluir

Para receber as postagens por e-mail:

Digite seu email aqui:

Delivered by FeedBurner