Siga-nos por Email:

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Sobre a emoção do primeiro amor...



Crédito de imagem Galeria do Mundopanno
 
Tenho uma afilhada de 13 anos que está vivendo o primeiro amor, a   primeira taquicardia, a primeira paixão. Tão bonito de ver a  intensidade  misturada com medo,  falta de  coragem, vontade de  tornar-se bela, numa fase que nem se é tão  bela  assim,   vontade  de agradar, de  parecer mais  velha,  sensual    e inteligente.


Hoje, ao voltar do trabalho lá estava minha afilhada adolescente prostrada na porta aqui de casa com os olhos esbugalhados, uma maquiagem exagerada  e colorida  demais,  pedindo ajudar para conquistar  aquele que imagina que será seu único derradeiro e definitivo amor...


Ela me fez  voltar   ao tempo em que tive  minha primeira  paixão  aos  13   e  ele 15 anos de idade,  numa pacata cidade do interior da  Bahia. Nos  conhecíamos desde os três  anos  de idade, as afinidades eram  evidentes    desde pequenos, estudávamos     juntos, e  o   tempo  foi    passando, e   as   brincadeiras   se transformando....  Só   de ouvir  falar  o nome   daquele  menino  meu  coração parecia querer saltar do corpo, as mãos suavam, era um estado de embriaguez permanente, os encontros em sua grande maioria, eram na casa do meu irmão mais    velho  e  já      casado, - claro que ele não saia de perto  -    íamos     mal  na  escola   - os dois - Acreditávamos  no  casamento e no  amor  eterno até o fim dos dias -  Como se houvesse algo   definitivo na pré adolescência -.
Zé Geraldo nos embalava  e dizia: 


 "Aqui é pequeno mas dá pra nós dois,  e se  for preciso a  gente aumenta depois, tem um violão que é pras noites de lua,  tem uma  varanda que é minha e   que é sua...Uma  palhoça no canto da  serra será  nosso abrigo, larga o que é   seu e  vem  correndo,  vem morar comigo"...e na nossa utopia não precisariamos de mais nada além disso.

Fonte Google
 Viviámos    em   função   das  escapadas  no   recreio da   Escola,   os   cinco  sentidos  totalmente  aguçados,  os corpos  davam  sinais  que   algo estava mudando, só de ouvir a voz  ou sentir  o cheiro daquele que eu imaginava ser um homem   saia do  meu   estado de  consciência   plena,  eu  tinha  medo, sabia que algo acontecia, as   informações eram incompletas, a vontade de ficar perto  crescia  cada  vez mais, não  dormia, estudava pouco, aulas  cabuladas, coração acelerado, hormônios em ebulição, paixão, descobertas, medo...


Um dia chego em casa e vejo o pai do rapaz  conversando com minha mãe, ela muito alterada e ele a tranquilidade em pessoa tentava explicar que era   algo adolescente, que  iria passar (ou não) e que não adiantava  tantas   imposições  por parte  dela,   frisou   que proibições    acabam  em   mentiras,  notas  ruins e     fugas   desnecessárias,    e  propos  a  minha   mãe    uma     "liberdade vigiada",   meu  irmão  tentava intervir  a  nosso  favor,  prometia cuidar para que  nada  de  "mal" me acontecesse.   E claro   que  aquela   conversa      só  piorou   a   situação, a minha General  mãe   decidiu o que era melhor para mim, e    me   comunica  friamente  -   claro que minha opinião não importava - que  eu   iria ser     "enviada"     para     São    Paulo...  No    dia   seguinte,  choro,  desespero,  despedidas  e promessas.  E assim  foi:  Deixei  para traz meus amigos,  a  vida  que  eu  tinha   lá  e  meu  primeiro   amor  infanto-juvenil.   Até    hoje   sinto    arrepios   e calafrios     na     alma   ao   me     lembrar  daquele   dia,  da  dor  sentida    e compartilhada  e  da  incerteza do  mundo  que  me  aguardava  aqui  nessa cidade,  a   única  certeza   que   eu   tinha naquele  momento era  que eu queria ficar ali,  mas eu não tinha opção...



Fonte Galeria Mundopanno
E  nunca mais   vi  esse rapaz, que  por outras  questões fez a  travessia  da ponte do arco-íris aos 19 anos de idade,   e sempre, mesmo sem   querer   eu me  pego  pensando:   E  se   a história  tivesse  um  enredo   diferente?   será  que...      Será, será, será?....

23 comentários:

  1. Olá, queridos
    Minha mãe se casou com a paixão da adolescência (única paixão da vida dela) tinha apenas 12 (era bem alta)... Minha filha namorou dos 13 aos 16 e foi firme... com direito a noivado e tudo (herança genética)... ele morreu num acidente de moto (talvez tivesse tido o mesmo "destino" da avó)...
    Mas essa não é a regra, bem sabemos...
    Bela descrição da primeira paixão!!!
    Abraços fraternais

    ResponderExcluir
  2. @orvalho do ceu
    Olá, que bom te ver aqui..
    Pois é..quem derá os adolecentes fossem levados mais a sério, não é??
    Quando não vivemos tudo que há para viver nos sentimos meio "mutilados"..

    Obrigada...

    ResponderExcluir
  3. O primeiro amor é sempre uma coisa meio sofrida, eu acho... Hoje passei o dia inteiro lembrando do loiro aguado, meu passado branco, prova que não sou preconceitusa, com doze anos eu era apaixonada por um loirinho aguado muito intelegente... Mas já era neurotica e morria de medo de ficar cega de amor e perder meu foco... Como eu era boba... devia ter amado mais!!!

    Cheros Sônia, que post lindo \o/

    ResponderExcluir
  4. Sônia, uma linda história, mas os "será" ficarão sem respostas.
    Foi uma decidão dura sua mãe ter enviado você para outra cidade, mas sabe-se lá os medos dela, né? Você era apenas uma menina.
    E o amor durou o tempo que deveria durar, seu sofrimento passou e hoje tudo é uma lembrança, talvez muito boa, com, afinal, um final feliz.
    "Será" que duraria mais tempo? "Será" que ...
    O melhor da vida é conhecer o amor. Triste é passar por ela sem experiência nenhuma.
    Beijo e seja muito, muito feliz.

    ResponderExcluir
  5. E "Será" que esse moço não voltou como Santhiago? Será? Será? Será?

    ResponderExcluir
  6. tive calafrios lendo a sua historia. e pena de voce por ter sido exposta a tanta dor num momento tao magico da sua vida. MAs senti pena da sua mae tambem, que imaginou estar te protegendo...

    triste, triste

    E o que foi que vc falou pra sua afilhada??

    ResponderExcluir
  7. Oi Sônia, fiquei emocionada com o seu relato, quantos sentimentos! O tempo pode passar à vontade que a lembrança permanecerá. Apesar de às vezes a dúvida e a tristeza aparecerem, ter vivido esta história ajudou você a ser o que você é hoje.
    Adorei!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. @Pandora
    Oi Pand linda,

    Se existe algo nesse munndo que eu não tenho medo é do amor. já amei duas vezez (uma delas você acompanha de perto), e sempre amei visceralmente, com todos os sentidos com o corpo alma e coração...

    O foco a gente perde sim, mas depois acha novamente né não? rs

    Pand, quando o amor bater novamente a sua porta, o convide para entrar...

    ResponderExcluir
  9. @L�cia Soares

    Oi Lúcia!
    sim, os "Serás" ficarão sem resposta...mas eu acredito que um dia (em outro plano) acharemos o porque de tudo.
    Dele, do Beto. Porque?

    beijo

    ResponderExcluir
  10. @Fernanda Iasi
    Ai Fê,

    Você tem o dom de arrancar de mim as confissões mais loucas.
    Tenho certeza que sim Fernanda, em tudo eles se parecem, jeito, gestos, até um levantar de sobrancelha, e o cabelo então?
    Santhiago faz um movimento com os pés que el também fazia na mesma idade.

    Mas isso eu NUNCA confessei nem para mim mesma Fê.
    Pronto falei rs...

    ResponderExcluir
  11. @Inaie
    Oi Inaie,
    Primeiro deixei ela falar tudo que queria, depois dei os conselhos de mãe (já que ela escolheu a mim a ser a primeira a saber).
    contei minha história (mesmo ela já sabendo) falei da beleza do momento, mas que existe uma vida paralela que tem que ter continuidade, estudos, cursos etc.
    E por último e o mais importante, ofereci meu apoio e minha vigilância também. Eu tinha a mesma idade e sei bem como são os adolescentes, fiz o que eu queria que minha mãe tivesse feito, como foi proposto por meu "sogro" rs

    beijo, obrigada por estar aqui

    ResponderExcluir
  12. @S�lvia Gianni
    sim Silvia, claro que me ajudou a ser o que eu sou hoje,
    mas também deixou uma mágoa com relação a minha mãe, que não há terapia que dê jeito..
    Eu trabalho isso todos os dias dentro de mim, mas é difícil.

    Adorei ver você aqui amiga, volta sempre?

    beijo

    ResponderExcluir
  13. Sônia Cristina querida.

    Como vai você?
    É a primeira vez que comento em um blog, e como você não citou nomes postarei como anônimo.

    Eu sempre leio seu outro blog, e as vezes ficava pensando, e meu irmão, será que não terá um capítulo nessa história que que merece ser o livro mais lindo do mundo?

    Mas chegou o dia de você dar um "cantinho para ele". Mas faltou muito aí ainda para dizer.
    Diga que nos todos aqui de casa te amaavamos e te amamos até hoje. Diga que om certeza absoluta vocês seriam muito felizes pois eram o casal mais lido do mundo. Diga do brilho dos olhos dele e a "gagueira" cada vez que te via.Isso é puro amor na forma mais genuina de ser,Mostrei pra Mainha, ela leu calada.Depois fui espiar o que ela tava fazendo sozinha no quarto, e lá estava ela com uma caixinha cheia de fotos suas e dele e beijava vocês dois, outro dia ela disse assim, minha norinha continua mais linda ainda.
    Só uma observação;PORQUE VOCÊ NÃO COLOCOU FOTOS REAIS DE VOCÊS DOIS?
    Agora cheguei até a ouvir o som da voz do meu pai brabo demais com sua mãe. Quando você vem aqui?.

    que saudades de nossa infância, a gente complica tanto a vida, e a beleza está na simplicidde, amor é amor, isso independe de quantos anos temos...
    tô emocionado, desculpa.

    ResponderExcluir
  14. @An�nimo
    Ai meu Deus..
    Eu nem sei o que dizer, hoje é o dia das surpresas. Esse post me balancou, ontem enquanto eu estava escrevendo eu senti tanta coisa, tanta coisa...
    mas te ver aqui foi a melhor coisa que me aconteceu no decorrer desse ano...que coisa boa!
    Faltou sim! faltou muita coisa, afinal...

    Não usei as fotos porque ele não está aqui para eu pedir permissão..
    Beijo na sua mãe, também amo vocês,
    ACHO QUE VOU CHORAR. Tô meio sem saber o que dizer.

    ResponderExcluir
  15. O primeiro amor já é tão intenso que não deveria nunca ser proibido!! Vai saber como seria, né?!

    Poderia ter sido... ;-)

    "Ah, quem escreverá a história do que poderia ter sido? / Será essa, se alguém a escrever, / A verdadeira história da humanidade". (Àlvaro de Campos: Pecado Original)

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  16. O primeiro amor já é tão intenso que não deveria nunca ser proibido!! Vai saber como seria, né?!!

    Poderia ter sido... ;-)

    "Ah, quem escreverá a história do que poderia ter sido? / Será essa, se alguém a escrever, / A verdadeira história da humanidade". (Àlvaro de Campos: Pecado Original)


    Beijos!!

    ResponderExcluir
  17. Olá!!! Enquanto lia o seu lindo e sensível texto as minhas lembranças desfilavam na minha mente. O sentimento que experimentamos no primeiro amor nos acompanham pelo resto da vida e tem o poder de nos raptar para uma terra encantada onde os sonhos são fantásticos e as emoções imperdíveis!
    Imaginei a cena da sua afilhada pulsando de amor e vivendo a adrenalina da incerteza.
    Parabéns pelo belíssimo texto.
    Querida, fiquei um pouco ausente porque estava mudando de endereço e estava poetizando com as caixas e arrumações que são retratos de uma mudança.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  18. @L�via Azzi
    Oi Lívia,
    Deveria ser PROIBIDO proibir...
    tudo tem que ser divino e maravilhoso (como diria Gal)
    O Pior do "proibido" é que ficam mágoas, ressentimentos, feridas abertas que nunca cicatrizam.

    beijo


    beijo

    ResponderExcluir
  19. @Maria Helena
    Oi Dinda,
    Obrigada viu?
    mas não some que eu preciso de você sempre...
    As mudanças serão boas para você e pro Hugo...
    tudo se renova..

    Te amo

    ResponderExcluir
  20. Soninha,
    Que post bonito, sensível cheio de lembranças de um tempo bom, de um tempo de amor puro, de início de tudo!
    Ainda tem o complemento da irmã do mesmo que deve ter lhe balançado mais o coração.
    adorei!
    beijos cariocas

    ResponderExcluir
  21. @Beth/Lilás
    Oi Beth!

    Esse, sem sombra de dúvida,foi um dos posts que mais me fragilizou.
    voltei no tempo, revivi, sofri e fiquei feliz em ter essa história para contar..
    E essa visita aqui em nossa casa foi linda.
    Sinto uma certa leveza...

    ResponderExcluir
  22. Sônia. A partir de hoje serei sempre o primeiro amor de meus últimos amores... Beijos!!! Você será sempre um primeiro amor na vida de "nosotros"... mesmo na de um D. Juan. rs.

    ResponderExcluir
  23. @Moacir Edu�o
    Oi Moá,

    Tenho um defeito:

    Só "me amo" quando amo alguém com a alma sabe?
    E vou repetir aqui uma frase brega que diz mais ou menos assim:

    O importante não é conquistar um alguém por dia e sim conquistar o mesmo alguem todos os dias, tendeu?

    Cheiro

    ResponderExcluir

Para receber as postagens por e-mail:

Digite seu email aqui:

Delivered by FeedBurner