Siga-nos por Email:

sábado, 14 de maio de 2011

PRÉMIO CAMÕES

Ontem, os jurados reunidos na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro atribuíram, ao que parece em tempo recorde, por unanimidade e com alegria, o mais alto galardão da Língua Portuguesa, o Prémio Camões, ao Português Manuel António Pina, 67 anos, mais de 50 livros publicados entre poemas, romances, crónicas, e livros infantis.
Deixo aqui a minha homenagem, e um poema inédito da sua autoria.

À noite com Job,
sob o céu de Calar Alto

Como um Deus incompreensível
confundido pela própria
argumentação
perguntando: "Onde é que eu ia?"

Como uma pergunta
a que só é possível responder
com novas perguntas.

Como vozes ao longe discutindo:
"Alguma vez deste ordens à manhã,
ou indicaste à aurora o seu lugar?"

Como um filme
em que tudo acontecesse
na escuridão do espectador.

Como o clarão da noite última
e vazia que abraça pela cintura
a jovem luz do dia.

Manuel António Pina


PS: Por razões pessoais tenho estado ausente da blogosfera. Se hoje postei aqui, foi para respeitar o compromisso que assumi com todos os participantes. Perdoem a minha falta de interacção no que respeita os comentários. Volto em breve.
Abraços carinhosos.

7 comentários:

  1. Esse poema dele é lindo. Ele (o poema) tem um estilo parecido com o do José Régio, outro monstro sagrado da poesia portuguesa. Abraços. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  2. Lolipop, sinto mesmo sua falta.
    Espero que estejas bem.
    O poema é lindo, não conhecia o autor, do que vou me redimir imediatamente!
    Bom domingo.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Excesso de claridade ofusca e escuridão total é o chão... Há que se estabelecer uma ponte entre luz e sombras.

    Gostei de conhecê-lo! ;-)

    Mil ternuras, abraços de sol e beijos de lua!

    ResponderExcluir
  4. Que bom saber que o poema pode compor o poeta, decifrando-o por apagar esses traços nos mapas que aprisionam os seres em grades apelidadas de fronteira. A poesia é uma forma de ir-e-vir, direito garantido aos que partem, aos que voltam, e aos que ficam. Parabéns pela homenagem!

    ResponderExcluir
  5. O poema é lindo Loli. Gostei da homenagem.

    Bom saber de você. Estou com saudades.

    Bjs no coração!

    Nilce

    ResponderExcluir
  6. Querida Loli!

    Andei a tua procura e não te encontrava.Ontem a Irene falou-me de ti e deste Blog, mas eu só o encontrei graças ao e-mail.

    Hoje não li nada, só espreitei o perfil de cada um de vocês, que afinal já conheço, mais ou menos bem.

    Voltarei sempre.

    Huge Hug and tender kiss.
    Miss you.

    ResponderExcluir
  7. LOLI

    Saudades de suas ternuras!!!

    Beijos

    ResponderExcluir

Para receber as postagens por e-mail:

Digite seu email aqui:

Delivered by FeedBurner