Siga-nos por Email:

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

A beleza do perdão

Concordo com o texto abaixo, que não é de minha autoria.
Acho que não vale a pensa deixar que o mal feito a nós cresça em proporção, deixando-nos "engasgados". Depende do que foi feito, depende se vale a pena manter contato com quem nos feriu.
Porque acho que "perdoar" é forte, perdão se pede quando a coisa foi muito séria e talvez seja melhor afastar a pessoa de nossa vida.
Mas descobri que um "Desculpa!" também me chateia bastante.
Uma explosão, uma falta de "inteligência emocional" pra se segurar, e lá vem uma agressão verbal, daquelas ferinas, que nos deixa atordoados. Principalmente se o que houve não merecia uma reação daquelas.
Depois, a pessoa cai em si, pensa nas bobagens que disse e solta um : "Você me desculpa, tá?"
Ah, não! Não desculpo! Melhor nem pedir, fica o dito pelo não dito, as coisas se assentam e fica por isso mesmo.
Melhor dizendo: desculpo, sim, mas acho o pedido meio desnecessário. Acho que se deve contornar, mudar de assunto, fazer um agrado na pessoa (mas não me toque!) e a nuvem vai passando.
Porque é muito fácil fazer o que quer, na hora que quer, do jeito que quer e depois vir, de mansinho, se desculpar...
Como humanos, somos seres surpreendentes, sempre querendo melhorar (ou não...).Então, muitas vezes podemos ferir sem querer, acontece (comigo, muito! falo e depois me arrependo. Ou contorno, ou esclareço, mas realmente não gosto de pedir desculpa!)
"Desculpem o transtorno, estamos em construção".


Durante a nossa vida causamos transtornos na vida de muitas pessoas, porque somos imperfeitos.
Nas esquinas da vida, pronunciamos palavras inadequadas, falamos sem necessidade, incomodamos.
Nas relações mais próximas, agredimos sem intenção ou intencionalmente. Mas agredimos.
Não respeitamos o tempo do outro, a história do outro. Parece que o mundo gira em torno dos nossos desejos e o outro é apenas um detalhe. E, assim, vamos causando transtornos.
Esses transtornos tantos mostram que não estamos prontos, mas em construção.
Tijolo a tijolo, o templo da nossa história vai ganhando forma.
O outro também está em construção e também causa transtornos.
E, às vezes, um tijolo cai e nos machuca. Outras vezes, é a cal ou o cimento que suja nosso rosto.
E quando não é um, é outro. E o tempo todo nós temos que nos limpar e cuidar das feridas, assim como os outros que convivem conosco também têm de fazer.
Os erros dos outros, os meus erros. Os meus erros, os erros dos outros.
Esta é uma conclusão essencial: todas as pessoas erram. A partir dessa conclusão, chegamos a uma necessidade humana e cristã: o perdão.
Perdoar é cuidar das feridas e sujeiras. É compreender que os transtornos são muitas vezes involuntários.
Que os erros dos outros são semelhantes aos meus erros e que, como caminhantes de uma jornada, é preciso olhar adiante. Se nos preocupamos com o que passou, com a poeira, com o tijolo caído, o horizonte deixará de ser contemplado. E será um desperdício.
O convite que faço é que você experimente a beleza do perdão.
Se eu errei, se eu o magoei, se eu o julguei mal, desculpe-me por todos esses transtornos...
Estou em construção!"

(Este post foi copiado do meu blog "De amor e de...", postado em 14/04/10. O texto é atribuído ao Gabriel Chalita, professor, escritor e apresentador da TV Canção Nova, baseado numa das pregações do Pe. Jonas Abib, segundo encontrei no Google.)

10 comentários:

  1. "Esta é uma conclusão essencial: todas as pessoas erram. A partir dessa conclusão, chegamos a uma necessidade humana e cristã: o perdão." Perfeito o texto, perfeita essa visão sobre o perdão. Estou seguindo o blog, gostei muito **:

    saahandradee.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Lúcia!
    Fico muto feliz quando ouço comentários como os seus!
    Realmente na odontologia tudo é muito caro!
    Como só trabalho com o melhor, fica impossível cobrar "baratinho"!!!
    E que maravilha que vc tem dentes fortes!!!
    Com certeza é muito cuidadosa e faz as consultas de profilaxia semestralmente!
    Tenho muitos pacientes assim como vc que me seguem a mais de vinte anos.Acredita??? Sem uma restauração!!
    São pacientes que não tem grandes despesas no consultório, mas me dão um grande retorno, pois trato de toda família!!!
    Parabéns e continue assim com seu lindo e forte sorriso!
    Obrigada por estar sempre participando no blogodonto!!
    bjsssss

    ResponderExcluir
  3. Oi Lúcia!!

    Agora comentando sobre perdão!rs
    Aprendi a perdoar muito cedo.
    Perdão é um processo, primeiro vc engole, depois digere e por fim a digestão se processa.
    Tem perdões humanamente impossíveis, acredito de se tratar de "perdões espirituais".
    Só com o poder de Deus vc consegue perdoar aquele que te machucou.
    Muitas vezes esse processo pode durar anos...
    Já aconteceu aqui comigo!
    Consegui me libertar do fardo da amargura e do rancor!!!
    Também peço perdão fácil, esse é mais simples de fazer!
    Reconheço que pisei na bola e peço perdão, agora...se o outro vai me perdoar isso não é mais problema meu, ou é????
    Querida me perdoe por só hoje me tornar sua seguidora... já era do outro blog....rsrsrrsrs
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Lucia, qdo eu venho aqui e vejo a escrita neste tom lilás já sei de imediato que o texto é teu. Já é tua marca registrada.

    Olha, pedir perdao ou desculpa é difícil pra caramba. Eu tenho aprendido em determinadas situacoes a me desculpar. Assim como vc eu tento tomar um certo cuidado com minhas palavras...

    Mas eu prefiro que as outras pessoas nao cheguem tao longe comigo numa discurssao para que venha me pedir desculpas. Nao gosto. Prefiro que a pessoa seja ponderada e me diz que vai pensar melhor na coisa do que me ofender e achar que ela sozinha sabe toda a verdade.
    Outra coisa que prefiro é que ao invés de me pedir desculpas, mude. Do que me adianta ouvir um pedido de desculpas se a pessoa daqui a pouco tá me fazendo a mesma coisa? Pra isso nao tenho paciência, nao. E nem vem.
    Prefiro mudanca de atitude a pedidos de desculpas sem mudanca.

    Bjao

    ResponderExcluir
  5. Lúcia querida, super obrigada por suas palavras tão doces e carinhosas no bloguito!
    Fiquei muito feliz com seu comentário viu?
    bjo bjo =)

    ResponderExcluir
  6. É... acho que por sermos todos farinha do mesmo saco, hehehe, a gente deveria acertar os ponteiros na hora do desentendimento... Tudo o que a gente fala ou faz sempre tem uma razão de existir, então, pq pedir desculpas pelo feito e pelo dito?

    ResponderExcluir
  7. Lúcia...
    esse lance de perdão é complicado.
    Alguns tem facilidade para pedir perdão quando acha necessário (eu tenho) mas dar o perdão é algo que poucos conseguem fazer.
    São tantas questões envolvidas...
    as vezes e precisamos de muitos anos para compreender a história do outro e poder realmente perdoar.
    Mas sem dúvida, perdoar é uma atitude amorosa e inteligente.
    Sem perdão não sobreviveríamos.
    Obrigada tia Lúcia pela presença carinhosa em minha vida, de verdade, faz um bem ler teus bilhetinhos.
    Me transforma,sabia.
    beijinho procê.

    ResponderExcluir
  8. "Perdão é limpeza", ADOREI, Lucia!

    Ouvi num filme "antigo", baseado num livro "antigo" do Milan Kundera que é uma pena que, na vida, a gente não tem a oportunidade de fazer um rascunho e depois passar a limpo.
    Eu, quando "vacilo feio" com alguém peço desculpas sinceras. E aceito também - o que não quer dizer que esqueci, mas acho que ficar "remoendo" mágoa faz mal. Nem que seja à pele : > )

    bjnhs e ótima semana!

    ResponderExcluir

Para receber as postagens por e-mail:

Digite seu email aqui:

Delivered by FeedBurner