Siga-nos por Email:

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

À revelia


Ela não escolhe hora nem lugar.
Nem quer saber se é  negro ou branco.
Bonito ou feio.
Rico ou pobre.
Grande ou pequeno.
Cedo ou tarde.
Ela vem, às vezes de mansinho, se anunciando.
Ou chega abruptamente.
Num piscar de olhos ou numa trilha de dor e agonia.
De manhã, madrugada, tarde, noite.
Sem hora.
Senhora temida, indesejada.
Muitas vezes alguém vai ao encontro dela, voluntariamente.
Mais vezes do que se tem notícia.
Pode parecer um ato de coragem, mas é puro medo.
Covardia.
Ninguém quer que ela venha. Nunca é bem vinda.
Mesmo em meio a muito sofrimento, sempre se espera por um adiamento.
Não é chamada. Não é querida.
Mas não adianta querer ou não.
Acontece. 

(Este post é para Sônia, nossa amiga e companheira de blog, que perdeu a mãe no dia 24/08/2011.
Que ela e a família passem por este momento com serenidade. Um beijo, amiga!)

14 comentários:

  1. Eu quero deixar aqui meu sintimento de solidariedade à Sônia neste momento de dor tão aguda que invade a vida da gente, como uma espécie de intromissão. E parabéns pela solidariedade, Lúcia.Meu abraço. paz e bem.

    ResponderExcluir
  2. Meus sentimentos à SONIA E QUE ELA TENHA FORÇA PRA SUPERAR ESSA DOR. Tens razão, ela aparece, sem aviso mesmo...beijos às duas,chica

    ResponderExcluir
  3. Oi Lúcia!
    Você como sempre muito amiga,generosa e solidária. Para Sonia meus sentimentos neste momento de tristeza que infelizmente não podemos evitar. Muita paz!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Oi Lúcia,

    Eu estou aqui. Obrigada querida amiga por tudo, nesse momento eu não tenho palavras para escrever tudo que eu queria, mas absorvo. Sei que você entende tudo que eu quero te dizer no meu silêncio.

    Deus abençoe.

    ResponderExcluir
  5. Eu nem sei o que digo a Soninha, na verdade não tenho palavras... Enfim... Sônia estou aqui tá, dentro dos limites da virtualidade, qualquer coisa é só chamar!!!

    ResponderExcluir
  6. Apesar de doloroso pra quem fica, ainda encontro uma beleza na morte. Quer dizer, acredito que a morte é "sinal de missão cumprida" e não posso deixar de achar isso belo.

    Mas que ela dói, dói.

    ResponderExcluir
  7. Poxa vida, então é por isso que a Sonia anda sumidinha!
    Deixo aqui meus sinceros sentimentos, pois nem consigo imaginar o que é esta dor tão profunda.
    Um abraço apertado e fraterno, cara amiga Sonia.

    Lúcia, obrigada por partilhar conosco da notícia através de tão bonito texto.
    bjs

    ResponderExcluir
  8. Oi Amigos,

    quero só registrar aqui que li todas as palavras de carinho e conforto.
    Sempre passo nos blogs,(mesmo não comentando) mas a vida tá me dando porradas crueis, é uma atráz da outra. É um tempo de recolhimento mesmo.

    Obrigada e um abraço.

    ResponderExcluir
  9. É a mais pura verdade, Lucia.

    Sinto muito pela sua amiga.

    bjnhs e ótimo final de semana pra você.

    ResponderExcluir
  10. Nessas horas é melhor pensar como diz a música: "sei que estás em outros jardins entre as flores" a saudade fica, mas a morte é apenas um breve distanciamento.

    ResponderExcluir
  11. Olá Lúcia, mande um abraço carinhoso à ela.

    beijinho

    ResponderExcluir
  12. Os sonhos nunca acabam, e estão sempre acampados sob a sombra do futuro. Meu carinho presente e silencioso... Meu carinho, Sônia.

    ResponderExcluir
  13. Sentindo falta de seus posts, Lucia.

    Eu tb tenho blogado pouco (a formatura é daqui a pouquinho, só penso naquilo : > )

    Passei pra deixar bjnhs e um ótimo final de semana!

    ResponderExcluir

Para receber as postagens por e-mail:

Digite seu email aqui:

Delivered by FeedBurner