Siga-nos por Email:

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Observações sobre Léo Áquilla

Léo Áquilla foi um dos participantes da quinta edição do reality show da Record, A Fazenda. Até então eu nunca havia escutado o seu nome - e também nunca havia assistido ao reality. Um breve comentário sobre o programa: É mais interessante e mais elaborado que o Big Brother ao envolver pessoas que vivem no meio artístico e exigir o cumprimento de tarefas com os animais e com a limpeza da casa e do local. Se alguém não cumpre uma tarefa, o grupo todo acaba levando punição. Mas não é do programa que quero falar, então, voltemos ao Léo Áquilla.

Léo Áquilla é uma drag queen. Como disse no programa: "Sou mulher do ano 2000: peito, bunda e piu piu." Tem dois filhos, um natural e um adotivo. E uma história interessante pra contar. E foi o que fez no programa.

Léo falou que apanhava todos os dias na escola, porque era nítido desde criança a sua homossexualidade e, como as demais crianças notavam, ele sofria com isso. Falou que gostar de homens e de se vestir como mulher nunca foi uma escolha sua e sim algo natural. Comentou que o fato de um programa de audiência num canal de TV aberta ter convidado uma travesti para participar do programa já mostra uma mudança de mentalidade nas pessoas. 


Dentro da casa, Léo comentou o fato de que nas suas entrevistas, durante o seu trabalho e os seus shows, ele é sempre muito divertido, animado, engraçado. E que as pessoas dentro da casa, ali no reality, estranhavam o fato dele nao ser assim no dia a dia. Ele explicava que uma coisa é a personagem dele e outra quem ele é como pessoa, e que as pessoas esperam que travestis sejam sempre pessoas que gostam de chamar atenção para si.

Quando criticada sobre a sua postura de "amar todo mundo" dentro do programa, ela disse que isso vem exatamente por ser como é. Isso criou nela uma cobrança extrema para sempre agradar as pessoas, para que as pessoas gostassem sempre dela, porque lógico, sempre esteve acostumada a não agradar. A ouvir todo tipo de besteira na rua. Ser desrespeitada, sofrer preconceito.

Por isso, Léo foi acusado de se fazer de vítima e contar histórias tristes para tentar ganhar o programa com o voto do público. Sobre isso, Léo disse "Mas se eu não falar isso sobre a minha vida, vou falar o que? Infelizmente são essas as histórias que eu tenho pra contar." Não acho que Léo se fez de vítima. Ele é vítima. Dizer que ele "se faz de", é se negar a ouvir uma triste realidade, admitir que ela existe e refletir. Respeito as pessoas que não gostam de reality shows, mas olha, acho o máximo a gente ligar a TV em um programa de grande audiência e poder ouvir isso.

OBS.: Léo Áquilla fez Silvinho se perguntar durante o programa o por que dela não ter adotado um nome feminino. Eu notei que às vezes Léo fala de si no masculino, às vezes no feminino. Fiz o mesmo durante esse texto.

3 comentários:

  1. O Brito Junior sempre atrapalha meu exercício de assistir a fazenda, mas eu sempre fico de olho nesse realit, acho interessante e me diverte, as vezes irrita também!!!

    Particularmente eu tinha mais simpatia pelo Léo antes de ver ele na Fazenda, mas acho ele profundamente inteligente e bem articulado, nada do que ele falou a respeito do preconceito e da violência é mentira, só que as pessoas gostam de fingir que isso não acontece o que não deixa de ser revoltante!!!

    ResponderExcluir
  2. Gabriela, assisti a todas as edições d'A Fazenda e esta foi a que menos gostei. Mas gosto do (a) Léo Aquilla e acho que ele(a) se comportou muito bem, as edições sempre deixam margem a dúvidas, pois só colocam coisas que condenam a pessoa (mais das vezes) e tb colocam situações fora do contexto (apenas partes de uma questão), o que acaba confundindo quem assiste só ao programa, não acompanham 24h. Aliás, alguém consegue assistir 24h, a não ser os envolvidos com o programa?!
    Não é fácil a vida, para ninguém, imagina então para uma pessoa com figura masculina e personalidade feminina (e vice-versa)?
    Gosto muito dele como personagem, sua alegria, seu carisma, sua inteligência.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Interessante isso. Conheço um rapaz que também desde pequeno mostrava sua opção sexual. Ele disse que tb tomava uns sopapos na escola, mas o mais curioso, é que ele me disse que achava que ia crescer e ter seios e "virar mocinha". Ele disse que a mãe tentou cortar isso dele. A carência é algo palpavel nele pq nem a família aprova.

    ResponderExcluir

Para receber as postagens por e-mail:

Digite seu email aqui:

Delivered by FeedBurner