Siga-nos por Email:

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Alguma coisa sobre a solidão

A imagem de Frida Kahlo - as sobrancelhas expressivas e todo o colorido intenso - sempre deixou uma impressão de personalidade forte para mim. Gosto de visuais excêntricos, que transmitem originalidade.

Certa vez eu li a respeito das pinturas que Frida fazia de si mesma. O transporte no qual ela viajava sofreu um acidente. Uma barra de ferro entrou pelas suas costas e saiu pela vagina, deixando-a por muito tempo presa à cama, tendo diante de si apenas um espelho. Sozinha e acostumada a sua imagem, Frida desenhava a si mesma.


Não sei se foi aí que ela começou a fazer autorretratos, mas o que essa história me faz pensar é que a solidão tende a nos colocar apenas diante de um espelho mesmo. Resta encarar a nossa imagem crua. Tão crua quanto complexa.

4 comentários:

  1. Meu irmão é fã de Frida, foi ele quem me apresentou a ela e a sua história... Sempre sinto uma certa dor em mim quando penso nela perdendo a perspectiva de ser mãe, sentindo aquela dor enorme e ainda assim não exitando ao desafio de olha a si mesmo e se enxergar de várias formas...

    Talvez essa seja uma boa forma de enfrentar a solidão!

    ResponderExcluir
  2. Também sou fã de Frida Kahlo e senti muita pena dela ter sofrido tão cedo um acidente que deixou-a machucada para toda a vida, mas seu espírito era grande e talentoso, por isso deixou tantas obras expressivas.
    bjs cariocas

    ResponderExcluir
  3. Vi a imagem, vim correndo... Gosto dela, apesar do sofrimento, viveu intensamente, e suas obras diz muito sobre sua personalidade.

    Na adolescência minhas sobrancelhas emendavam como a de Frida, parecia uma loba rsrsrs.

    Tenha um lindo dia!

    Beijoooooooooo

    ResponderExcluir
  4. Assisti ao filme um drama biográfico de Frida, ficou bom com a bela,(Salma Hayek).
    No filme fiquei conhecendo seus quadros, diferente a pintura dela, mostrou bastante suas telas. Apesar de se passar tb num momento histórico, onde ela teve um caso nada mais nada menos que com o (Leon Trotsky).
    O filme ficou completo, abordou o momento histórico mais seu trabalho como artista plástico. Mais o acidente que a deixou na cama por uns meses...

    Quanto a solidão que vc mencionou. As vezes, é importante, a auto reflexão, a introspecção para meditarmos um pouco mais sobre o mundo e nós mesmos.

    Não me importo muito sobre estar solitária, pois, muitas ocasiões ao estarmos numa sala repleta de pessoas, já nos aconteceu de nos sentirmos totalmente solitários...

    Abç e boas leituras!!

    ResponderExcluir

Para receber as postagens por e-mail:

Digite seu email aqui:

Delivered by FeedBurner